Resumo de Notícias: Mercado imobiliário

Resumo de Notícias: Mercado imobiliário

Este pode ser um bom momento no mercado imobiliário para comprar imóvel

Alguns dados indicam ser uma boa hora para a compra de imóvel. Tanto para quem pretende investir no setor como para quem está em busca da casa própria. Isso porque após um período de recessão de quatro anos, já é possível ver uma recuperação, em virtude dos preços mais convidativos.

Além da crise financeira no país, a taxa de juros também travava a venda de imóveis, pois estava entre 12% e 14% ao ano. Hoje, no entanto, os juros estão em 9% ao ano. Como se trata também de um alo eleitoral, os compradores sentem mais confiança na aquisição de imóveis, dadas as incertezas políticas no país.

Para Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), essa reação foi detectada pelas pesquisas do Sindicato já no terceiro trimestre de 2017, e consolidada de outubro do ano passado e março deste ano. Não é possível antecipar nem quanto nem quando vai ocorrer uma alta expressiva dos preços, segundo Petrucci, que afirma ser um bom negócio o investimento, especialmente para quem tem uma parcela de 20 a 30% do valor do imóvel para dar de entrada.

Segundo o Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci), o fato de a Caixa Econômica Federal ter voltado a financiar até 70% do valor imóvel já representa um estímulo para o aquecimento dos negócios. Com isso, outros bancos também acabam tendo uma queda nos juros, a inflação acaba diminuindo e a confiança do comprador aumenta.

Vendas sobem, mas o números de lançamentos estão em queda

O mercado imobiliário residencial ampliou as vendas no começo do ano, mas os lançamentos recuaram no período, segundo pesquisa realizada pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). O levantamento foi realizado em 23 capitais e regiões metropolitanas do País.

Embora as vendas tenham subido, os lançamentos atingiram 10.574 unidades no primeiro trimestre, com queda de 30,7% em relação ao mesmo período do 2017. Houve crescimento em sete regiões e queda em 15. Com isso, o estoque de imóveis chegou a 123.055 no fim de março, recuo de 14,8% na comparação anual. Desse total, 33% são unidades prontas, 52% em construção e 20% na planta. O preço médio do estoque no fim do período ficou em R$ 6.042 por metro quadrado.

Primeiro trimestre de 2018 registra aumento no mercado imobiliário nacional

A recuperação do mercado imobiliário nacional, iniciada no final do ano passado, ainda não foi suficiente para estimular as empresas a lançarem novos empreendimentos. Se comparado a 2017 a alta foi de 22,3%. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) em parceria com a Senai Nacional realizou uma pesquisa que comprovam tais dados, uma veza que os lançamentos de janeiro a março totalizaram 30,7%.
Os números revelam que embora a demanda esteja sendo atendida, a confiança dos empresários em novos investimentos ainda não foi reestabelecida. Para se ter uma ideia, a oferta de unidades residenciais apresentaram queda de 14,8% em março em relação ao mesmo mês de 2017.

O estudo, de acordo com a CBIC, mostra um aumento das vendas e diminuição dos lançamentos, mais um sinal da falta de crédito para as empresas. Para Celso Petrucci, economista-chefe do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) e presidente da Comissão da Indústria Imobiliária da CBIC, o resultado mostra a tendência de melhoria das vendas em relação ao ano passado, acompanhada também pelo crescimento dos financiamentos imobiliários com recursos da caderneta de poupança.


Nádia Fischer
 

Deixe uma resposta