Resumo de notícias do mercado imobiliário

Na última semana, muitas coisas aconteceram no mundo imobiliário. Confira abaixo o resumo de notícias do mercado imobiliário.

Distrato de aquisição de imóveis
O Projeto de Lei da Câmara 68, que define regras para o distrato de aquisição de imóveis na planta, terá discussão retomada após o período de recesso parlamentar. O objetivo é dar maior segurança jurídica ao compradores de imóveis, bem como à indústria imobiliária.

O relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), favorável ao projeto não foi aprovado, pois não atendia aos pleitos do setor. As regras seriam importantes para os contratos futuros, pois indicavam alguns limites para àqueles que desfaziam contratos por motivos especulativos, prejudicando construtoras, incorporadoras e compradores.

O Projeto de Lei aprovado pela Câmara estabelece que, em caso de distrato, o comprador receberá de volta o que tiver pago à construtora ou à incorporadora, deduzindo-se a comissão de corretagem e uma multa de até 25% da quantia paga, devido aos gastos e prejuízos causados ao empreendimento. Quando a incorporação estiver no regime do patrimônio de afetação, os valores pagos serão devolvidos com multa de até 50%. A previsão de pagamento é após 180 dias do distrato, em parcela única.

Valor do aluguel de imóvel residencial tem variação negativa
A Pesquisa de Locação Residencial realizada pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação) apontou uma variação negativa no valor médio do aluguel residencial na cidade de São Paulo. No período de 12 meses (julho de 2017 a junho de 2018), a variação foi de -0,57%, percentual bem abaixo do IGP–M (Índice Geral de Preços – Mercado) da Fundação Getúlio Vargas, que registrou 6,92% no acumulado de 12 meses. Em junho, a variação foi positiva de 0,90%. Os dados estão dispostos em faixa de valores por metro quadrado, por número de dormitórios e por estado de conservação.

O IVL (Índice de Velocidade de Locação), que avalia o número de dias que se espera até que se assine o contrato de aluguel apontou ainda que o período de ocupação foi de 18 a 45 dias. Os imóveis com maior velocidade de locação foram as casas e os sobrados: 18 a 43 dias. Já os apartamentos tiveram um ritmo de escoamento mais lento: 23 a 48 dias.

Apesar da queda de 4,3% ao ano, fundos imobiliários são boa opção de investimento

Depois de quatro anos de queda, especialistas do segmento imobiliário chamam a atenção para leve recuperação dos preços dos imóveis e do valor dos alugueis. É com esse cenário que trabalham também os profissionais que acompanham diariamente o comportamento dos fundos imobiliários.

Um fato relevante que o mercado não contava foi a greve dos caminhoneiros, que acarretou prejuízos não só econômicos como políticos ao mercado. Apesar desses imprevistos, o pano de fundo para o setor imobiliário não mudou, com clara queda nos níveis de vacância (desocupação) dos imóveis, especialmente os comerciais.
É importante destacar que se existe demanda, é sinal de que as empresas devem aumentar os níveis de contratação de profissionais. Mais gente empregada, por sua vez, representa um aumento de consumo, estimulando também ocupação de lojas em shoppings centers, com geração de alugueis. É um círculo virtuoso. A roda da economia vai se aquecendo e atingido de modo positivo também o setor imobiliário.

Todos esses fatores têm reflexo direto no desempenho dos fundos imobiliários, com suas carteiras formadas por papeis lastreados em empreendimentos imobiliários, seja em prédios comerciais com escritórios (lajes corporativas), em shoppings centers, em galpões logísticos, e assim por diante. A remuneração é composta basicamente por dois elementos, pela valorização dos imóveis em si e também por outros retornos dos projetos, como aluguel do imóvel ou até faturamento de um shopping center.

Deixe uma resposta