Escola de madeira na Amazônia vence prêmio de melhor obra de arquitetura do mundo

A escola de madeira faz parte do projeto Moradias Infantis dos arquitetos Gustavo Utrabo e Petro Duschenes do escritório Aleph Zero, em parceria com Marcelo Rosenbaum e Adriana Benguela, do estúdio de arquitetura e design Rosenbaum.  O prêmio Riba International Prize (Royal Institute of British Architects) é um dos mais importantes da arquitetura mundial.

O projeto ganhou o prêmio por sua arquitetura sem igual e o impacto social significativo. A escola de madeira fica localizada no município Formoso do Araguaia, no Tocantins. A instituição de ensino acomoda 540 crianças frequentes da Escola Canuanã.

“Estamos entusiasmados por termos sido agraciados com o Prêmio Internacional RIBA 2018. Foi uma alegria ver as crianças construindo o prédio e adaptando o espaço para atender às suas necessidades. Este prêmio fortalece nossa compreensão da arquitetura como uma ferramenta para a transformação social, uma ferramenta que transcende a construção e cria uma conexão profunda entre os jovens e seus ancestrais e conhecimento”, disseram Gustavo Utrabo e Pedro Duschenes, diretores da Aleph Zero ao site Hypeness.

A escola recebe cerca de 800 alunos e alguns residem no local. O conceito do projeto abraça a ideia de empatia, pois a instituição se entrelaça com a rotina da comunidade. O local tem duas vilas: a dos garotos e a das garotas. Os quartos foram transformados em 45 unidade para 6 alunos cada.

Além disso, há também áreas de convivência para as crianças realizarem atividades ou ter um pouco de lazer. Sala de TV, sala de leitura, varandas, pátios e um lugar com muitas redes fazem da escola de madeira um lugar muito acolhedor.

“O desafio foi convencer alunos e professores que recursos naturais representam sim progresso. Ser moderno não é sinônimo de construções com vidros, paredes de concreto, aço ou ar-condicionado”, explicou para o The Guardian Gustavo Utrabo, um dos fundadores do Aleph Zero.

Deixe uma resposta